América-MG Atlético-MG Atlético-PR Bahia Botafogo Ceará Chapecoense Corinthians Cruzeiro Flamengo Fluminense Grêmio Internacional Palmeiras Paraná Santos São Paulo Sport Vasco Vitória

09.Out 10:53

Camisa 12

Sampaoli quebra silêncio e fala sobre pressão à frente da Argentina

Treinador comentou ainda sobre reuniões que foram promovidas entre jogadores ao longo da competição

Robbie Jay Barratt - AMA/Getty Images

O técnico Jorge Sampaoli finalmente resolveu se pronunciar sobre o desempenho da seleção argentina na Copa do Mundo da Rússia. Recolhido desde o fim do Mundial, o treinador disse que o afastamento da mídia foi necessário para fazer um balanço pós-Copa.

- Foi um ano em um lugar de muita tempestade, exigência, obrigação, imediatismo, onde nós e o jogadores estávamos obrigamos somente a ganhar. Foi difícil tornar essa melodia harmônica, mas estávamos muito envolvidos. O fardo que esse grupo tinha era muito pesado, fomos empurrados a um caminho de obrigação onde era difícil fazer surgir o talento - disse Sampaoli ao “Marca”. 

O chileno falou também sobre as reuniões promovidas pelos jogadores argentinos durante a competição. Segundo ele, o problema não era fazê-las - já que eram feitas com o objetivo de tentar fazer a equipe evoluir - mas sim divulgá-las. 

- Toda reunião era para contribuir. Foi um momento muito complexo. O problema não era ter reuniões entre jogadores, mas o fato de elas se tornarem públicas. Os jogadores da Argentina de 1986 se reuniram constantemente, mas só descobrimos isso 20 anos depois de serem campeões. Acredito filosoficamente na participação e no compromisso. No futebol e na vida – pontuou. 

Sampaoli disse ainda que “foi incrível” trabalhar com Messi e classificou-o como “melhor jogador da história”.

O técnico ficou à frente da Argentina por 15 partidas. No total, foram sete vitórias, quatro empates e também quatro derrotas. Na Copa, os argentinos foram eliminados nas oitavas de final pela França ao perder por 4 a 3.
 

Assine a nossa newsletter